domingo, 19 de fevereiro de 2017

Cidade Fechada

Utopia
Dos versos
Sobrevoam as Praças
Fazem Sonhar
Novas Estradas Poéticas
Planam Palavras Livres
Flutuam Reflexões
Flores e Seres Sobrevivem ao Asfalto
Resistem
Pássaros
Borboletas
Criaturas
Vão Viajando
No Verso
Duro da Cidade Ostra
Concreto
Ainda Tenho Asas
Para Voar
Nas Praças
Da Utopia - Periférica

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Amnésia...

Angústia
Que me Devora
Cansa - Caça
Camadas e Camadas Ultrapassadas
A Mente Morde
O Chão
Doença sem Cura
Sem Trato
Efeitos Colaterais
Entrelaçados
Espalham Paixões
Amnésia Regenera os Grilhões
Joelhos Ralados
Dilacera Reprises
Cenas Repetidas
Limites Paralelos
Tragam Pensamentos
Até o Dia Clarear

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Deslize Bucólico

Próximo Instante
Perfeito Deslize
Dia Tolo Verdadeiro
Contemplo o Entardecer
Desocupado
Longe das Montanhas
Equilibrado
Na Tampa do Bueiro
Perifa
Contemplo Problemas Imaginários
Momento Insensato - Insano
Escadas, Escalas e Termômetros Delirantes.
Contando e Medindo Vertigens
Viajar É Preciso!
Bucólico
Busco Primaveras - Outonos
Novas Velhas Ruas - Curvas
No Amanhecer
Sem Vida
Morrendo Paulatinamente
Sobrevivendo...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Nos Muros e Cordas do Espaço Tempo

Temor Escondido
Carrega
Medos - Gritos
Nas Bordas dos Lábios
A Fala Aperta
Vai Quase Existir
Malfeita - Analogia Inaudível
Abalada
Ressoando Hífens
Amassadas - Dobradas
Nas Linhas do Poema
Nas Linhas do Tempo
Nas Cordas do Espaço Tempo
Frase Nula
Dilacerada
Retalhada
Exilada das Páginas
Dos Muros
Passeia Distante
Não Diz Nada
Antes
Do Murmúrio
De Cada Alma
De Cada Ser...

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Descolonize sua Poesia!

Os Melhores Poemas, 
são aqueles escritos sem Razão, 
sem Previsão, sem Métrica ou Rima, 
feitos no Acaso sem Explicação...

Palavras de Desordem

Palavras de Ordem
Desordem
Palavras Persistem
Perdidas
No Paraíso Proibido
Escondido
Passivamente Falo - Penso
Reflexões Perniciosas
Pensantes - Perturbadoras
Promessas Escritas no Velho Papiro Tempo
Arranjos Inabaláveis
Provocante Observação
Pulsante
Proezas e Peripécias
Sutil - Impermanente
Vozes Silenciosas
Malicioso Impulso
Guia
Pupilas Dilatadas - Pulsantes
Propostas Plasmadas
Pasmadas

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Fogo Caudaloso

Rio Caudaloso
Pedaços de Mares
Escritos Sinuosos
Fragmentos Aquáticos
Coloridos Vitrais
Vão Passar
O que Somos?
Diante a Travessia
Medo e Nostalgia
Magia Redescoberta
Chama
Nas cores da Existência
Vida Profunda
Desvela a Solidão
Reincidente Ressurge
Ouço o Som
Do Traço
Dos Fragmentos
Dom
Ilusões
Onde estão os Budas?
- Incandescência
- Sabedoria
Fogo Libertino
Tons dos Traços
Ilumina sem ter Medo
Ser
Travessia
Para o Encontro
Dos Fragmentos da Transformação

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Forjando Viveres da Noite

Forjar
Esqueletos de Aço
Tecer Classes Livres
Mãos Pesadas - Nulas
Reta Condição Perdida
Barcos a Deriva no Espaço
Curvas Escassas
Vai!
Alma Invernada
Nos Viveres da Noite
 - Venenos Letais
Longe do Horizonte
Pedindo Passagem
Além
Fez até
O Frio Perecer...

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Sobras de Estradas Difusas

Saudade do Tempo
Que o Vento
Chegaria
Feito Desenho
Tempestade
Dor que Falha - Falta
Diferente das Aflições
Desigual
Planos para Partir
Adeus Inesperado
Estradas Difusas

Amava
Desculpas & Desventuras
Dos Dias, das Peças Perdidas.
Cego - Acreditando...

Na Ilusão
Hermética
Do Olhar

Coração Silencioso
Faltam Palavras
Jogadas
Dentro e Fora
Do Quebra Cabeça
Vai Corroendo
As Lembranças
Grade - Grandes
Sobras
Do Nada

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Linguagem do Caos

Emoção Sinestésica
Corações Sedentos - Vazios
Embalados
Na Oração Pagã
Poetas sem Orquestra
Poesia Desarmonia
Horas de Ansiedade

Quem Vai?
Amparar Cruzes Caídas
Quebradas
Aliviar Horas Duvidosas
Peculiar Assombro
Vereda
Horas de Desventura

Linguagem Esquecida
Abençoe
Esse - Este
Belo Caos

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Rubro Morfina

Vasta Planície Primavera
Flores
Dobram Sinos
Na Eterna Espera
Morfina Adormecida
Desatinos
Noite
Vespertinos
Líquidos
Densa Atmosfera
De Horas Incertas
Abertas Penetrantes
Gente Finge Inocência
Criaturas sem Ternura
Dissipando
Tropeçando em seus Enganos
Vão Caindo - Caindo
Caindo
Vida Encontrada
Vida Perdida
Roubada
Indolência - Incidência
Poéticas Vestes 

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Liberte-se

Senhor!
Ser
Anoiteça
Em Fúria
Mesmo Amordaçado
Exausto
Sem Rumo
Sem Medo
Transforme-se no Caminho
Aberto
Fechado
Sonhe - Grite
Logos - Logo
Chegará ao Fim
Alforriado
Do Próprio
Ser

Tempo Irracional

Destinos Incertos
Silêncio sem Oração
Apressado Tempo
Extingue minha Criação
Sem Respostas
Eu Vou...
Tempo Irracional
Bárbaro
Desejo Calmaria
Estranho Instinto Qualquer
Dependente Consciência
Erro Induzido
Espírito Breve
Tolhida Liberdade
O Destino é Trêmulo
Corrompido Tempo
Áspero Solene
Existirá Existência?
Sucumbo Diante os Enigmas do Vento
Ocultos
Minha Aparência
Dilacera
Espelhos Quebrados
No Tempo
Que não Havia.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Fim dos Gestos

Fim
Do Silêncio
Dos Gestos
Fracassado - Esmagado
Cenário Antigo Mofado
Prisão de Viver - Viveres
Vela Apagada
Pecado - Sombra - Cansaço
Máscaras Inúteis
Magoadas Revolvem
Anjos Caídos
Algemas Prateadas
Livros Queimados
Espetáculo Visual do Fogo
Sentidos se Curvam nas Sombras
Fragilidade
Do meu Olhar Cansado
Vocábulos Sufocados

Quando?
Essa - Esta - Aquela
Angustia
Vai Findar
Passar
Silenciar
Quando? 

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Narcóticos Diários

Vida
Intervalo
Morte
Narcóticos Diários
Vazios e Nadas
Cardíaco
De Grandes Paradas

Face Sem Movimento
Onduladas Dicções
Auras - Moradias
Sinais
Outrora
De Poeira e Sombra
Carcaça Imóvel vai Erguer
Intrincar Aforismos
Adormecer

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Luminosos de Lama

Lâmina
Escondida na Boca
Relógio Quebrado
Língua Contraída
Refutando Verbos
- Gélidos
Profere a Navalha
E Seu Segredo
Triunfo da Existência Bélica
Ironia dos Dias
Teima em Deixar
Feridas Abertas
Pálidas
Entrega ao Desgosto
Negando Réplicas da Fome
Viver os Combates
Conviver com a Dor
No Silêncio Cinza
Ninguém vai Ouvir
Ancestral Lamento...
Descarto Ouvintes
Perifa Impávida
Nos Telhados
Fachada Apagada
Luminoso de Lama
Ocupando
Primitivos Espaços
Banheiros Vazios
Distantes
Taciturnos
Presentes
Nas Multidões Solitárias
Sectárias.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Última Trova


Última Trova
De Longe
A mais Bonita
Contaminando Digressões

Último Som - Sorriso
Apagando Acentos - Acertos
Padecendo
Nas Difusas Tardes de Ócio
Dolorosa Via - Artérias
Sentidos Alertam
Reverberam
Ardem
Que
Não faz mais Sentido
🔙

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

03 de Fevereiro

Em Fevereiro
Quero Chegar Atrasado
Desandar Um Ser de Fome
Desarmado
Vou Voltar
A Não Ser

Sono Profundo

Acordo
Tonto
Todos os Dias
Vendendo Poemas

Desperto Perguntando
Por quê?
Reflito o que Importa
Vender
Escrever
Ou simplesmente
Acordar
Escrevendo Poemas

Correntes Tateis

Mergulho em Palavras
Em Dias Profundos
Copos
Largos - Longos
Mãos
Ao Sol do Meio Dia
As Correntes Aprisionam
Sem Piedade
Palavra Corrosiva - Concreta
Pesada
Mira Perdas
Angústia Sempre Regressa
Pó Perigoso
Em Outros Espelhos
Reflexos de Outras Palavras
Só...
O Delicado Veneno Mistura
Cuidado com os Sentidos
Excessiva Brisa Turva
Ébria
...
Guia Gestos Antigos - Amargos
...
Passeio
Sob e Sobre seu Corpo
Possibilidades Infinitas - Infiéis
De Novas
Indeléveis
Adjetivadas
Palavras
...
Tatos 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Rendição & Depressão

Becos Mentais
Ruas sem Cantos
Rastros
Nevoeiro Constante
Encurrala Meandros

Respiração
Sem Tempo
Desolação

Ébrio Constante
Torpor
Nada Persiste
Triste - Terror
Espera Amanhecer
Esperança Abatida

Longe da Esfera
Engrenagem Quebrada
Enferrujada
Submissão Forçada
A Depressão
Rendição
Aos Corações
Tombei em Combate
Em Dia de Paz...
...

Antro Profundo

A Margem
É minha Alma
Faminta de Novas/Velhas Estradas
Mãos Cerradas
Folhas Abertas
Cerrado
Olhos - Sedentos de Versos
Navegando na Imensa Distância
 - Dos Dias
 - Da Luz
 - De Nós
Regresso
Banhado de Sal
São Prévias
De Eternas Partidas
Da Grande Sede - Seca
Retornos Contrariando Retas
Regras
Anular Despedidas
Na Impermanência do Ser
Permanência Presente
Lugar - Antro
Do Passado
Tão Próximo
Do Abismo
Espectro da Alma
Assusta
Drena Energias
De Plasma Infernal

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Nulas Aspirações

Vontade Fraca
No Escrever
Sobre Coisas
Sonhos
Historias
Dias
Cruzamentos - Esquinas
Mergulhos
Restos
Vertigens
Anos - Enganos
Desejos
Abraços
Silêncios
Utopias Distantes. 

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Poesia Longa para Lanternas Vazias

Sol Frio Invernal
No Verão Passageiro
Fogueiras Estéreis
Volátil - Vento Estelar
Existir sem Razão
No Espaço Finito das Coisas
Insignificante
Simples Parede
Separa o Amanhecer
Recordações Poéticas
Na Essência dos Atos
Lamento Globular
Irreal - Distorcido
Exposto - Rebelde
Insano - Extremo
Ser Artista sem Remorso
Sem Palavras Covardes
Sem Virtudes
No Rosto
No Semblante Perdido
A Corrente
O Passado na Pele
Tempo - Amanhã
Nasce um novo orvalho noturno
Alguns cintilavam venenos
Levam as profundas trevas
Lanternas Esgotadas
Vácuo de Lucidez
Espinhos - Pregos Desajeitados
Músicas - Barreiras - Jornadas
Aventuras
Longe das trevas do mundo
Poéticas Breves Desabrocham
Despenhadeiros Vazios na Imensidão
Da Mente
Dimensão Oblíqua
Acima do Olhar
Abaixo de Universos Paralelos Longínquos,
Semblante Cansado
Desligo Cronômetros
Das Ruas, Espaços Extasiantes.
Continentes Violentos
Cidades sem Direito
Duros - Eles Caminhavam Sonhos
Falta Oxigênio
Raros Respiros
Respingos de luz no escuro
Irradiando Eternidades
Abandono
Enxuguei a última lágrima orvalho
Resignei-me no Silêncio Atemporal
Vivendo e Morrendo Depressões
Que Assolam - Devastam
A diminuta imensidão corpórea
Funesto Segundo
Amargura do Viver
Em Seus
Lábios
As Correntes Midiáticas Aprisionam
Reprimem Estradas
Traiçoeira Obscenidade
Aguardo a Ventania
Sem Armaduras
Vêm Pedras - Até Cegar
Derradeiro Dia
Esperando o Algoz
No Rito da Passagem Espiritual
As Últimas Palavras Mudas Gotejam
Sob e Sobre
A Desnuda Alma
Vai Acabar
Pensar sem parar
Desaparece o instante
Insignificante
Caos - Casos e Acasos
Sincronizados
De Pedaços Improváveis,
Inimagináveis - incontestável Fim
Inesperado Nada
Aparências tocam Repentes
Sinto Arrebentar Esperanças
Ignoro as Lutas
Plumas Pesadas Demais
Vão Passar
Vai Machucar
Complicado Instante
Desperdiçado
Escrito...


Um dos poemas mais longos de minha existência, escrito no caminho da Perifa ao Centro de SP, em um surto só - editado no Vale do Anhangabaú Nublado - Cinza - entre Zumbis e Álcool, enfim longo demais...