segunda-feira, 13 de abril de 2009

"Homenagem Póstuma"

Foto: Seu João - Autor Desconhecido
1938 - 2009
*
Seu João - era assim que conhecíamos o Pai do Celsão, esposo da Dona Maria - justamente o mês de Fevereiro enterrou o contador de histórias, era assim que víamos o falante Seu João... Essa crônica foi feita e desfeita várias vezes, tomou corpo na quaresma dos dias de Março... E finalmente publicada em Abril, depois do misterioso desaparecimento de sua foto que ressurgiu no domingo de páscoa dentro de um CD de Blues.
No dia em que plantamos o Peixe Grande, um dos presentes me disse que era difícil esquecer suas histórias, que ao deitar sempre vinham à tona, ilustradas, com os ecos da voz do Seu João. Isso mesmo, não enterramos, plantamos sim a semente do contador de histórias, para brotar mais tarde a fabulosa árvore dos pensamentos... Era um plantador de árvores, estão lá na Vila Sabrina, gigantes nas cercanias onde andou, plantou, contou – existiu, era um gigante. E lá em seu quintal rodeados por árvores guardiãs fazíamos nosso sarau, a Festa da Árvore.
Foi um guerreiro, um anfitrião, venceu várias vezes o seu marca-passo que teimava em falhar, venceu a velhice com suas narrativas e resolveu passar para outro plano assistindo TV junto com a sua família... Um dia antes, a Naomi, a cachorra da família se foi, antecipando e já fazendo mais uma história para o Peixe Grande, um de seus últimos repertórios nesse mundo.
De suas histórias, de jagunços, tiroteios, assombrações, festas que resolveram acabar e acontecimentos fantásticos nas estradas Brasil adentro, ficam encravadas nas mentes de quem o conheceu, e agora vamos multiplicar suas falas lançando os ecos de suas histórias e falas em todas as cercanias possíveis e impossíveis.
O filme Peixe Grande, de Tim Burton era a sua biografia, era personagem e contador, Seu João era uma bela fábula contada em voz mansa com tom interiorano, narrativas floreadas e vida simples como deve Ser... E a sua foto em semelhança com Kaspar Hauser e seu enigma, segurando a Santa com seu olhar penetrante. E o par de calçados, lançado nos fios de alta tensão, estão lá, em frente a sua morada, a nova, a velha, só os verdadeiros contadores é que sabem seu significado, enfim não precisava escrever nada, tinha o dom das palavras, da oralidade e isso já basta... Visto sua foto culminante - ai em cima, ai no alto – bem no alto... E como dita a tradição das antigas - bebemos Seu João no mesmo dia, na mesma hora. Lá estávamos todos nós, a sua volta, sem o rio em nossa frente, com a família, amigos e ouvintes incautos do Seu João, a terra caindo sobre a madeira e nós sobre a terra caminhamos mais uma vez...
Diz a lenda, Africana - que nas profundezas de todo rio mora um Peixe Grande. Cercado sempre de peixinhos menores e invisíveis o Peixe Grande é o guardião do Rio, enquanto ele estiver presente nada de ruim pode acontecer com o Rio ou com sua fauna e flora.

Adeus, até mais Seu João...
*
Everaldo Ygor - Quaresma 2009.

12 comentários:

Lalo Oliveira disse...

Pena que as pessoas assim também partem, deveriam permanecer mais, pra contar mais histórias.

Lalo Oliveira disse...

A história (ciência) em si não dá, não tem a mesma graça.

Celso disse...

Ygor,

Você conseguiu defini-lo como nenhum outro...
Contos engraçados, de valentia e sobrenatural... Viajavamos em sua voz mansa e às vezes alterada para enfatizar seus contos...
O que podemos dizer? Vamos continuar esta viagem cheia de boas lembranças que superam a dor e que nos fazem mais fortes.

Valeu.

Celsão.

luizamaluca disse...

Ygor,

Quem dera todas as pessoas chegarem na idade do "Seu João" com tantos "causos" para contar...
Contos que enriquecem nosso imaginário e iluminam nosso caminhar...
Alguns vem outros vão, mas o importante é viver cada momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver...

Saudades...

Luiza.

mariab disse...

uma bela homenagem. cada vez há menos contadores de histórias.
beijos

nelson disse...

ygor,
você conseguiu de forma poética e fidedíguina traçar um perfil de seu joão.
eu me sinto privilegiado por ter conhecido aquele homem, com toda aquela criatividade.
enfim, este blog sempre manterá vivo o seu joão, pois ele está em nossas memórias.
nelson.

Vírgula Antenada disse...

Fiquei emocionada. Tenho um áudio antigo dele... Estava ao lado de D. Altamira, uma visinha... Meu avô me passou.
Vc foi inigualável, Livro.

Solitude disse...

Porra, o post antes desse tá muito bom! Sinceramente, cara, que poema lindo!

NAIKAN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
NAIKAN disse...

Olá Ygor,
Não conheci Seu João...
Mas bons contadores de Histórias deixam sempre ternas lembranças.

Saudades do Andanças...
..e tuas também....
Bjs
Na&kan

CG FILM PICTURES disse...

Que lindo, perfeito a sua definição. Adorei ler o que escreveu.
Beijinhos de Rozangela Melo
Se quiser retribuir a visita, fique à vontade...
Fazemos cinema amador
Visite nosso blog
www.cgfilmpictures.blogspot.com

seuvicio disse...

Murriu murriu. Deixa murtu.