terça-feira, 12 de agosto de 2008

Garganta

Foto: pixdaus.com

Existe uma ladeira muda

Fica atrás de uma janela entreaberta

São caminhos

São
Gargantas...
Sussurrando
Sussurrando
Sussurrando
Sussurrando
Sussurrando
Everaldo Ygor - Agosto/2008

40 comentários:

tchúgar tchúgar disse...

Gargantas livres são legais.

rosangela disse...

Me desculpe a falta de sensibilidade mas não consegui pegar o Q da questão...

Abç...

Me desculpe mesmo!!

http://www.analucianicolau.adv.br/

ED CAVALCANTE disse...

POESIA CONCRETA. CADA VEZ QUE SE LÊ, TEM-SE UMA INTERPRETAÇÃO DIFERENTE!

cassio disse...

Me fez lembrar da musica de Ana Carolina! ^^
Abraços.

raquel disse...

A poesia concreta é sempre uma surpresa. Como toda arte, vemos de acordo com a nossa inspiração e não como o autor deseja que vejamos.

Abs
Raquel

http://devaneioseloucuras-raquel.blogspot.com/

Miss Joe disse...

Fantástico, adorei o que fez com as palavras. Ficaram muito bem colocadas na formatação e passam a idéia.
Valeu

http://blogadois.blogspot.com/

Dayse disse...

Me fez lembrar a música da Ana Carolina ²
Muito boa as poesias... e as imagens tb!
BjOO

www.manufaturanova.blogspot.com disse...

Que belo poema!! Altamente concretista!! Muito bom!!

Su disse...

Estou precisando sussurrar!!!
Abs

"O Autor", disse...

Obra de arte.

DuDu Magalhães disse...

São sonhos?!rc

Leonardo Dognani disse...

Mais uma vez passo por aqui, olhando as gargantas dos mundos, de escolhas e caminhos iniciáticos de sendas referentes a descidas, que normalmente levam os sábios ao submundo para alcançarem a sabedoria.

Um súbito sentimento de angustia se faz presente quando os olhos tocam a obra^^
e o efeito dos sussurros na ladeira são ouvidos como caminhos que nos atraem com seu fascinio.

Abraços.

mano maya kosha disse...

e todos dizem por onde pisam ... gritando no silêncio forçado

blog disse...

Gargantas que sussurram são quase contraditórias. Espera-se que gritem, quem rompam a noite, que acordem defuntos.
Mas essa sua devoção ao Concretismo é algo que se repete, amigo Everaldo. Eu não sei se chego a gostar. Respeito porque seu talento é algo óbvio, claro, difícil de não perceber.

E esse minimalismo, hem?
Vai assim por ladeiras, esquinas, gargantas?
Abraço.

Wander Veroni disse...

Olá! O mais bacana do seu poema foi a parte gráfica....as palavras foram ficando pequenas, assim como a voz no final de um grito...heheeh

Abcs,

=]
__________________________
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Danilo Cruz disse...

Não consegui entender... :)

Tania disse...

Que interessante seu poema!

Dá a impressão de que os sentidos se misturam e dessa mistura surge uma nova estética! Quase escuto os sussurros,rs.

Gostei, bem criativo, parabéns!!

bjo

Ricardo Jung disse...

mas eu nunca concordo com elas...

são péssimas em julgamentos

engolem um mosquito e arrotam um camelo

pois que continuem falando sozinhas, por mim...!

NAIKAN disse...

In.silencio sussurram...
No vasio, ouve-se o grito,
sem som,
Murmurando...

Murmurando... esta breve relexão
e deixando um slencioso abraço.

na&Kan

Paulo Sarges disse...

Concreto

eM mim, angústia de uma queda

mas não sou eu quem cai
sou eu quem grita...

muito bom post

abraçoz

H. disse...

Gargantas profundas.... bom, gostei das entrelinhas.

Erich disse...

Gargantas sussurrando através dos dentes cerrados....

Gleh Erika! disse...

Muito criativo ...

Adoro poemas assim ...

Edu França disse...

Poesia concreta, gosto da estética do texto, gosto muito... adoro quando a poesia toma esse tipo de Forma!

www.manufaturanova.blogspot.com disse...

Obrigada!! Tomara q vc n demore a atualizar!\o/

Paulo Sarges disse...

De novo, mas cada lida eu vejo algo novo

desta vez não tive a sensação de queda
os sussurros pareceram nuvens no céu formando um caminho até o horizonte

sussurro até o infinito?

abraçz

Leonardo disse...

adoro esse estilo de poesia...

ED CAVALCANTE disse...

AINDA VÃO INVENTAR UM PROGRAMA (TALVEZ JÁ EXISTA) QUE MISTURA AS PALAVRAS. AÍ ENTÃO PODERESMOS (DES)CONSTRUIR POESIAS!

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Gostei!

Abraços,

*CC*

janice diniz disse...

Antes de mais nada: obrigada pela visita constante e querida.

Sempre me surpreendendo, hein! Gostei muito da plasticidade do poema. Podia escrevê-lo num muro de uma cidade...podia, né?!

Beijão!

Alexandre disse...

Essa foto tá sensacional... uma coisa assim meio "O Exorcista", rsrsrs
Os sussuros mtas vezes são mais eficazes q os gritos...
Sim, isso foi um trocadilho, rsrs
Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

Tatiana C. Mendes disse...

É... E veja que a ladeira é muda... Mas pensemos, pensemos... “A janela está entreaberta”, logo, algo, ali, é... Bem ali! Existe... E o fato se consuma: em meio a tantos sussurros, com certeza, elas querem dizer tanta coisa... Aposto que sabes o que é!... E aposto mais, o dobro, que logo nos será dito, por você.

Abraços, poeta!

Tatiana C. Mendes

* hemisfério norte disse...

pelo caminho
o sussurro das folhagens
sons de outono
bj
a.

Siegrfried disse...

Gargantas nos deixam falar!
=P
Desculpe o sumiço!

Lalo Oliveira disse...

O concretismo de hoje, ao que parece é meio sem fundamento, criatividade, etc. Este seu é exceção.

Abraços.

Rafael Puime disse...

Me lembrei de trem de ferro do Bandeira.
Muita sonoridade em poucas palavras!

Grande Abraço

O Profeta disse...

Uma rosa breve
Uma hortênsia de alva cor
A terra molhada pelo sereno
Nos celeste paira um Açor

A madeira verde, a dança do fogo
O embalo do loureiro no vento, o alecrim
Um ribeiro de inquietas águas
Levam o perfume das mágoas em viagem sem fim


Convido-te a sentir a minha paleta de aromas


Abraço

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Ruelas são goelas, carreiros são berreiros.

Com lágrimas ou não, conforme esteja o tempo...

Sopa das Letras disse...

Simples e eficaz o efeito da poesia concreta!

Visite se puder: www.sopadasletras.blogspot.com

Alinne.

saga dos martins disse...

Que lindo os poemas , li os 3 primeiros e fiquei encantada com esse aqui, a palavra sussurrando morrendo num sussurro. Belo!
Parabéns!
Beijinhos!
http://sagadosmartins2.blogspot.com/