sábado, 11 de julho de 2009

Pináculos

Pináculos
Caminhos da imperfeição – nefasto vazio iniciando sua ode.
Ondas em
Campos ermos, letras & pensamentos plebeus - funestos.
Qual o ponto mais alto do vazio da planície mental?
- Quando a força do vento frio esmerilar a face, será o recado sutil da saudade golpeando os sulcos profundos do rosto rústico - limbo libertino.
Metamorfoseando falas, morfologicamente espirituais...
Homofonia, que rima com Seres ausentes nunca antes presentes.
Ecos vaginais transitando em arenas constituídas de becos.
Hastes antes - perfurando lóbulos frontais - itálicos

Tiram o fôlego do recital poético – mudo o mundo vai lanceando.
O lábio inferior desliza no caule letra...
A língua seiva esguia - pronúncia do seu destino
O ar rarefeito termina seu verso no planar suave da travessia
vôo rasante da cursiva escrita.
Ante olhares alheios - na passagem da vida para o espírito livre – preso – sempre!
Lacuna da essência fina que me falta...


Everaldo Ygor - Inverno 2009.



* Obras de Remedios Varo (1908 - 1963) - Bordando o Manto Terrestre e Papilla Estelar.

15 comentários:

Camis disse...

Lindo poema, belas imagens!
Demais...

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

Tiago Dadazio disse...

acheiq nem existia

Pedro Amaral disse...

muito massa seu blog, e valeu pela visita lah no meu


http://theocho888.blogspot.com/

seuvicio disse...

Já falei q nem gosto desse estilo né? Ié.

Fênix Dualista disse...

Cada vez melhor... "Lacuna da essência fina que me falta..."
Admirável!Tb me sinto assim...beijos

Tania Montandon disse...

A Coisa é un vazío essencial que todos tratamos de representar con imágenes e palavras, sen conseguir nunca. A única Verdade é a da 'Coisa irrepresentável', todos os demás discursos e textos sao saberes que se pretenden verdadeiros e nao sao mais que simulacros.

Dan Pessôa disse...

Hum ótimo poema. Ele nos faz imaginar as suas imagens. As vezes realmente nos sentimos com uma lacuna no nosso próprio eu.

J. C. David disse...

Belo poema..um pouco exagerado é verdade, mas bom..

Plaidy disse...

Um texto muito intrigante!

Aline Dias disse...

e das lacunas que nascem os poemas

╬ Nothing has sense ╬ Felipesfr disse...

belissimo poema...

ótimo...

http://gothicpoesia.blogspot.com/

mariab disse...

excelente tratamento da palavra poética. desafiante na leitura. gostei. beijo

Fênix Dualista disse...

Nossa...vc tem um jeito tão seu de escrever, ainda não li nada parecido. Cada vez me impressiono mais. Fã!

beijos

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Isso dó se tiver espinhas na cara. Sai sangue e pus e tudo mais.

Blogueira disse...

maravilhoso!