quinta-feira, 13 de março de 2008

"MOVIMENTO"

Foto: Vladimir Kush

O movimento do Mar confunde...
Não sei se trás ou leva os sonhos
Tem um ritmo
Música desritmada ao vento
Não tem trajetória
Consomem os dias, as semanas – As horas
Tem Sal, encanto & gosto – Vou comer um pedaço do Mar

Querida sereia
Sozinha vive
A Vida retrai
És Minha viagem

Lado de lá
Festa de cá
Afinado está
Seresta no Ar

Tarde nas encostas
Arde o Sol em seu caminho - meu caminho - carinho.

...Silêncio temporal - Patente Poema
Quietude que me falta – Pestilenta Poluição
Irrefutável certeza – Que a orbe vai para o Ralo
Banal & Mortífero - Relutância
Inspirando Blasfêmias...

Desvendando Livros & Vôos
Janelas águas - Rios & Solos

- Mares, corpos e Lepidópteras
Poético Poente
Ouço uma flauta conspirar – Uma viola dançar
Caminho sob e sobre folhas secas - Secas
Ruídos
Sons - Estalos, estalos, estalos...
São tardes internas
Ouvindo murmúrios do vento
Fados a Tocar.

Everaldo Ygor - Março 2008.

Ao som de Dulce Pontes - Fado Mãe

...14 DE MARÇO - DIA MUNDIAL DA POESIA...


41 comentários:

Renata disse...

Vlw pela visita!
Voltarei aqui mais vezes!
Bjocs ;)

Dedinhos Nervosos disse...

Que ritmo gostoso tem esse texto.
Adorei.
Com certeza venho andar mais por aqui.
:o)
Bjos.

Marco Antonio disse...

Isso me deu um prazer ao ler, Everaldo...

Muito agradável. E essa do fado me lembrei de ontem.

Estava eu no Centro do Rio, acabado de sair de uma loja de instrumentos musicais, estava vendo uma escaleta pra mim. Aí do lado havia uma loja de materiais de construção. Estava vendo umas maçanetas de louça, muito bonitas. Aí o senhor que me atendeu, provavelmente o dono da loja, com certeza era português.
Ele disse que me viu saindo da loja de instrumentos e perguntou se eu tinha ido comprar ou consertar algum instrumento. Aí eu disse que estava pesquisando os preços de escaletas que vou comprar este mês.
Ele disse pra eu quando comprar, passar lá pra eu tocar escaleta e aprender a tocar fado... aí eu disse que não toco mais nada de cordas há muito tempo. Ele disse que o filho dele tocava. Acho que vou inovar no fato com uma escaleta... promete ser um encontro interessante!

Gugu Marinho disse...

Muito bom o texto. Parabéns pelo blog em geral. Depois passe no meu: www.gugumarinho.globolog.com.br

Mariana disse...

"o movimento do mar confunde
não sei se trás ou leva os sonhos"


ADOREI!!!

blog disse...

Confesso que tenho de reler.
À primeira leitura, camarada, pareceu-me aquele jogo de colagens que os dadaístas faziam e cuja significação importava apenas para eles.
Não sei.
voltarei para reler.

caio arroyo disse...

Nossa eu que nao sou fa de praia e mar nem em poesias, gostei muito desse seu poema, o ritmo dele é muito bom de ler

Dr. Spock disse...

Cara, parece até coisa do humberto gessinger...
Vc ja pensou em "musicar"essas suas pesias? COm certeza ia ficar legal se encontra-se melodias agradáveis e q combinassem com seus poemas...

Camila disse...

belo poema!!!
que inspiração!!
excelente blog!
parabens!!

Lucas Conrado disse...

O Vaticano faz e fez isso desde o princípio do catolicismo. Foi depois que estudei história da Idade Média que quis saber menos ainda de religião em geral. É o que comentei com um leitor do meu blog, tem tanta coisa que deixei de escrever no texto pra evitar problemas pro meu lado...
Obrigado pelo comentário e sempre seja bem vindo a Meus Pensamentos.

Mas vim aqui pra comentar o seu texto.
Gostei do rítmo do poema. Apesar de falar, entre outras coisas, de algo que tenho medo - o mar - é gostoso de se ler.
Daria uma ótima música.

Euzer Lopes disse...

Gostei do texto.
Sempre gostei do mar, e cada vez que leio algo assim, percebo o tamanho do seu encanto.

Thatha disse...

Oie
nossa eu amei o texto muuito lindu....
parabéns...

Lord Sarubiano disse...

Mais um poesia carregada de talento, emoção e com uma métrica excelente,

parabéns.

gredilha marcio disse...

Everaldo Ygor, grande poeta!
Parabéns! Mais uma belíssima
obra de arte...

"São tardes internas
Ouvindo murmúrios do vento"

Lindo poema!

Abraços.
Poeta de rua
Estrelando Soneto
Politicando Brasil

Kemp disse...

Parabéns pelo 14, poeta!

E o tsunami traz uma onda de pesadelos =)

Abração forte!
Kemp

Maísa Caldas disse...

nussss!!!
gostei do seu blog! x)
vou passar por aqui + vezesss!!!
hehehhehe


=**

ED CAVALCANTE disse...

muito legal, lírico! o fundo musical também, eu não conhecia a Dulce!

Thiago Nascimento    disse...

Gostei...
Tu escreves muito bem..
Gostei mesmo

Camila disse...

novamente passando para dizer como é encantador esse poema, assim como os outros...
parabéns!!!

Sei Filmar disse...

Maravilhoso! Parabéns mesmo! Voltarei sempre que puder!

Abração!

Nana lopes disse...

Parabens pelo dia da poesia.Belos versos

BLOGDOED disse...

CAra, que puta imagem linda!

Vc escreve muito bem, mas a imagem é show de bola

Mayna disse...

Adorei o texto!
Muito bom mesmo!

http://maynabuco.blogspot.com

Lion Wolf disse...

Olha não sou fã muito fã de poesia, mas adorei.
O ritmo, a sutileza... Parabéns!
Sucesso com o blog.

ED CAVALCANTE disse...

JA HAVIA COMENTADO! AGORA EU ESCUTO A DULCE DIRETO! KKKKKK

blog disse...

Retornando.

Relido. A musicalidade, mais uma vez presente, dá um certo ritmo que vc não explorou em outros poemas, cara.
Reconheço que vc foi feliz nisso, mas, mesmo assim, ainda sinto que falta algo, como se "ter os pés fincados no chão" fosse uma condição sine qua non para que o texto funcione (melhor).
Já experimentou deixar de voar?

Abraço, camarada.
Gosto de seus textos.

O Profeta disse...

Sublime texto caro amigo...


O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom fim de semana

Abraço

* hemisfério norte disse...

da minha janela
vejo o "meu mar"
viu-me nascer
viu-me crescer
e deixou-me brincar.
houve dias
em que me assustou...
mas ainda hoje
quando caminho
ao longo da orla
beija-me a face
e fico....
com boca salgada
:)
bjs
a.

Lizzie disse...

Se me perdoa a ousadia, necessito fazer um elogio: escrita encantadoramente envolvente!
O movimento do mar também me confunde, pela indecisão do leva-e-traz. Acho que a vida é assim, levando e trazendo tudo da gente.


Beijocas
www.lizziepohlmann.com

Ψ Ŧéfi disse...

Eu não sei poetar, mas as palavras vem e vão, e tento expressá-las antes ddelas baterem a porta no meu nariz. Ainda bem que há quem poete por mim, como você, que escreve lindamente!
Obrigada pelo teu comentário e volte sempre!

DUMBO disse...

Muito bom..

Parabéns

ED CAVALCANTE disse...

ja comentei!

Renata disse...

Acabei postando aqui outra vez... hehee
Atualiza aí ;)
Bjocas

Lalo Oliveira disse...

Para ser-lhe franco, enxerguei uma contradição na primeira estrofe, e uma suposta falha em 'comer o mar', penso que seria mais apropiado bebê-lo.
Nada que comprometa a essência da coisa, é claro.

Abraço.

Debora Hegedus disse...

Meu... tava tudo bem até vc falar... FADO... dá pra parar com isso? vou bater na sua cara com minha bateria! hahahahahahahaha

Lizzie disse...

Everaldo, como já disse: me encantou a tua poesia. A imagem da borboleta presa no livro ficou linda demais, surreal.


Beijos
www.lizziepohlmann.com

Feänor disse...

Sem palavras, amigo.... É assim que me sinto.

Você nos leva por um mundo de sensações emotivas com a maestria de um regente musical.

Sinceramente, me sinto até sem palavras para dizer algo mais profundo...

Melhor apenas contemplar, não quero estragar o momento.

Um abraço!

Leonardo Dognani disse...

olá Ygor!
=)

demorei um pouco mas estou aqui.
^^

Gostei do poema, e vou te dizer que eu diria que é uma música, na verdade uma bela música.
Imagineu com MPB(tb gosto de MPB rsrss) algo calmo com picos dramáticos e um violão, e uma formosa percussão.
^^

viajei bem.
Parabéns,

abraços.

Solange de Paula disse...

Oi Everaldo, adorei seu blog, seus poemas. Espero que nas suas andanças, danças na multidão você de vez em quando encontre os meus textos também, lá no meu blog. Vou adorar. Abraços, Solange de Paula.

Tatiana C. Mendes disse...

Ter fome me é algo atrativo... Percebo que tens fome, aqui, fome de mar... Quando experimentar, diga-se se é tão salgado quanto parece ser, ou quanto dizem que é... Ou ainda, quanto eles sentem (os outros mesmo, não nós), ou querem, que seja. Sereias... Coisas delas. Talvez derramem seus sais pelas águas, o sal assusta no provocar mais sede. Mais beber, mais fome... Fome de água, fome de líquido, fome de mar... E mais sons!

Conquistadores (Didixy) disse...

TExto realmente agradável e reflexivo de ler. Com certeza eu tive que ler duas vezes para poder entender algumas partes.

Porém um belo texto.