quarta-feira, 18 de julho de 2007

Mili Genestreti

Me inquieta o tempo
Que me espera
Os dias que não conheço
E que me interpelam.
Onde se deu a morada,
Ninho de uma linhagem,
Encontrei a convicção instintiva
Da finitude e da impermanência da vida.
Vasculhei memórias,
Recolhi lembranças,
Envoltas em tempo e poeira
Para criar objetos depurados,
Quase biográficos,
E refaço o caminho
No tempo que se pospõe ao tempo
Mili Genestreti

Um comentário:

Marlene Ines disse...

Linda a exposicao, meche com a gente...o som, o cheiro, algo no interior...angustia...tempo
E preciso ver para sentir